Um gole de saudade

Xícaras

Escrevo do Rio, num bloquinho amarelado, com uma caneta promocional de uma casa que, provavelmente, nem existe mais. Uma semana feliz, aniversário da sogra, do filho; belos passeios. E paz.
Está frio. Na minha cozinha sem compromissos com porcelanatos ou tendências decorativas, encontro aconchego nas temporadas cariocas. Ela me acolhe como velha conhecida, com suas rugas e um café quentinho.
Minha filha acaba de voltar para Belém e para a rotina – da qual faço parte – e eu fico aqui, ainda na penumbra, pensando na vida, em como ela segue feito um rio que lentamente vai preenchendo espaços, e nos levando… Apesar de nós, eles – rio e vida – seguem adiante, arrastando inquietações, alegrias, bons e maus momentos – estamos vivos!
Minha filha tem aqui avós paternos portugueses, desses que jamais perderam o sotaque ou os hábitos da terrinha. Estavam adoentados quando ela se casou, então quis visitá-los e tomar sua bênção, como boa neta. A casa é um pequeno Portugal, revestido por fora com aquelas pastilhas minúsculas; num canto, azulejos com Nossa Senhora de Fátima. Na sala e quartos, grandes fotos emolduradas eternizam as boas lembranças – estamos todos nessas paredes cheias de recordações. Nas prateleiras, biscuits de porcelana e cristal que sobreviveram aos netos, quiçá aos filhos; aqui e ali, panos de crochê de linha bem fina – Esterlina, acho – mostram o hobby da avó que faz o melhor bacalhau à sua moda:batatas, cebolas, alhos, salsas, “pimentos” e azeite – português, claro – conversam baixinho para não atrapalhar sua alteza, O Bacalhau. Nada de invencionices dessa nova cozinha que assola o país e deixa tudo cremoso ou com aroma de outra coisa qualquer.
Foi uma visita especial, com saudades a resgatar e tentativas de amenizar os efeitos da distância e da ausência prolongada, que por vezes nos deixam esquecer quem somos, de fato.
Lá pelas tantas a avó entregou à Verena um par de xícaras, dessas de “salto alto”. Nada de mais, não fossem um presente dos vinte e cinco anos de casados – e eles já comemoraram Bodas de Diamante, companheiros como há sessenta anos!
Verena carrega a caixa emocionada. Os votos de uma vida conjugal feliz e longeva – talvez ela jamais tivesse pensado em Bodas de Ouro! – repousam sobre veludo azul.
Nem bem ela saiu, sinto uma saudade diferente de quando o jovem casal embarcou para a lua de mel. É algo que a gente sente até quando respira, como se uma parte nos faltasse. Mesmo assim, não existe tristeza; difícil definir essa saudade amiga,quando nada há para lamentar – ou chorar- ela fica assim, íntima e companheira.
Recolho seus lençóis silenciosamente; no outro quarto, o filho dorme. Meu marido levou minha metade para Belém e eu fiquei com a dele, mais de um metro e oitenta de boa pessoa e olhos azuis – todos juntos, somos a nossa família, inteira.
Na janela, o Rio desperta; o sol hesitante não dá esperanças de um dia mais quente. Não me importo. Adoro esse clima que pede casaco e me deixa enrolar o pescoço sem suores ou agonias.
Resolvo caminhar – aqui temos calçadas!- comprar pão quentinho e curtir o vai-e-vem que começa. Ontem, com os pés me torturando, comprei umas “legítimas” e acabei o passeio no Shopping Rio Sul. Ninguém estranhou a informalidade dos calçados destoando de tudo o mais. Livre e feliz, lembrei-me do nosso cronista “meso carioca, meso paraense” Denis Cavalcante, que também compra pão na Santa Clara; ele, o Edson Franco… O Rio sempre foi jardim dos paraenses – ou quintal?- onde a gente sente vontade – e liberdade – para ser do jeito que se é.
Sigo pela Avenida Atlântica, cheia de gente feliz. Ouço um refrão muito querido- “Daí-nos a bênção bondosa…”- a tempo de assistir a apresentação do Coral de Nazaré que esteve acompanhando a romaria da Santa Peregrina, com Dom Orani. Coincidência? Deus nos toca a cada momento, não é mesmo? Boa semana para vocês também!

(As fotos do coral estão num outro post!)

Anúncios

1 comentário (+adicionar seu?)

  1. Verena
    set 11, 2011 @ 23:53:21

    Que lindo mãe! Suas palavras sempre tão carinhosas, tão verdadeiras, leio aqui do meu cantinho, mas sinto como se estivesses me lendo em voz alta. Te amo muito!!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: