O lixão de cada um

 

Se existe coisa da qual o belenense reclama, é o lixo. Lembram da coleta seletiva que iria passar na minha rua? Balela, como quase tudo que leve assinatura do atual prefeito, que sabia como fazer, mas não fez nem o sucessor. Investimos em lixeiras, separamos e lavamos tudo e, no final, um monte de recicláveis acabaram no… Lixo. Mais exatamente no Aurá, área do Parque Ambiental do Estado, que deveria preservar a água que eu e você consumimos – quando dá para consumir, é verdade. (Sempre me perguntei se o Governador e o Presidente da Cosanpa tomariam um copo dessa água? Eu, não tomo!)

Durante a passagem da Santa, no sábado; percebíamos uma televisão ligada, em cada lar. Era o efeito Carminha, muitos querendo participar – ou testemunhar – o linchamento da figura que mostrou um pouco do que o ser humano é capaz, por dinheiro. Durante quase um ano, acompanhamos as desventuras dessas personagens saídas do Lixão, ficção que dourou um pouco a realidade que sempre esteve aqui ao lado e fingimos não existir. No lixão global, a casa de Lucinda parece brinquedo, com cortinas de CDs, paredes de latinhas reluzentes, na mesa um café fumegante… Nem parecia feder tanto assim, não é?

No Aurá, a coisa é muito, muito pior. A montanha já chega aos trinta metros de altura. Centenas de pessoas – crianças, idosos e gestantes incluídos- perambulam sem nenhuma proteção, tirarando o sustento do que poderia ser melhor –  dignamente – aproveitado, se as duas prefeituras (Belém e Ananindeua) assumissem responsabilidades no processo. O chorume –  líquido escuro e fétido que escorre da decomposição  – é um veneno. A céu aberto, contamina solo e rios, não há vida onde ele passa. E você sabe onde está escorrendo?  Quando for ao clube mais elegante da cidade, dê uma “esticada” e passe lá para conhecer nossos Picolés, Ritas e outros tantos…

Respeitada jornalista e blogueira local levantou o tema e lembrou do Programa de Aquisição de Créditos de Carbono (lembra?) cujo dinheiro ninguém sabe, ninguém viu. Quer dizer; bem, você sabe…Ministério Público, Procuradoria da República e alguns poucos e corajosos interessados já trataram do assunto que tramita no Judiciário desde 2006, mas a situação continua a mesma: cruel, desumana e estúpida.  E por que, aqui, tudo que precisa de atitude e decisão, sempre se arrasta?

Por nossa culpa. Sim, minha, sua e “deles”. Somos, antes de tudo, extremamente preguiçosos.  A gente até reclama, faz aquele bafafá, mas, se der algum trabalho, se exigir que se tire o traseiro do ar condicionado, é melhor deixar prá lá, afinal, “não temos nada com isso”.

Somos culpados e merecedores do tipinho de político a quem passamos procuração, para fazer n-a-d-a. Culpados e merecedores da falta de compromisso, pois silêncio é conivência explícita. Ou você duvida que, se cada um de nós fizesse sua parte, esse e outros absurdos já estariam resolvidos?

Só que nos falta “tutano”; cada um tem uma razão, uma sinecura de um parente  – ou a própria – que “justifica” manter o bico fechado e… Você já sabe, o lixão do Aurá vai continuar lá e a gente acha que entende de lixo só por assistir novela.

Nossa ancestral ignorância aos próprios problemas deixa a impressão que a maioria conhece Miami – ou “Sun Paulo”, pronto – melhor que a terrinha, que dizem amar acima de todas as coisas. Compartilhamos bandeiras, torcemos (pelos vitoriosos, claro), divulgamos fotos de Pato no Tucupi.  Cometemos arroubos mentirosos que disfarçam o descaso com que tratamos nossas próprias feridas: ignoramos o que nos constrange. Comodamente, deixamos de nos indignar e ligamos a TV.

Por que “eles” haveriam de nos respeitar?

Ôi,ôi,ôi…

 

Anúncios

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Anônimo
    out 15, 2012 @ 12:47:51

    Perfeito, Vera! Vamos todos nos indignar com o Lixão do Aurá, que afeta as vidas de todos nós. Se continuarmos calados, um dia o chorume invadirá as nossas casas, e aí será tarde demais. Beijos e parabéns. 🙂

    Responder

  2. Beth Ribeiro
    out 15, 2012 @ 12:10:41

    Vera, vesti a carapuça. Tua espetacular crônica, ao final, me atingiu por inteiro. Sou aquela pessoa que tu descreves no último parágrafo. Parabéns. Como sempre tu és demais. bjs

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: