40

 

O tempo passa e a gente faz de tudo para se manter “up to date” com as modernidades.

Celulares com todo tipo de recursos, viagens para os destinos da moda, cursos de atualização, best-sellers na cabeceira, cores e formas na cabeleira – sem rimas, sem rimas.

No quesito moda, então, a renovação é tão rápida, que mal temos tempo de usar algumas peças que logo estarão ultrapassadas. Perdidas, como os projetos mais íntimos, que permanecem guardados, deixando aquela sensação de frustração, quando  lembramos que existem – ou existiram. E para quê continuamos nos cobrando, por algo que já nem é tão importante?

Ocupados com essa necessidade de estar “em dia” com o mundo lá fora, esquecemos as nossas próprias expectativas, e os sonhos acabam mofando, antigos e cada vez mais difíceis de realizar. Tornam-se cruéis. E nos afastam do bom e velho “possível”.

Pois bem, sonhe novo!

Conheci, há muito tempo, uma das jovens mais bonitas da época. Era linda, de fato. Lembro do nível de exigência que, estimulada pela família, cultivava em relação a um potencial pretendente.

Hoje é uma jovem e bela senhora. Sozinha. Será que manteve as exigências? Provavelmente. Super arrojada, mas esqueceu-se de mudar o principal e experimentar o novo. O possível.

Outra bela mulher espera conhecer um senhor “assim, assim…”. Os anos passam e ela não percebe que o parceiro idealizado não existe.

Não, o possível, não é o mais fácil; é, em última análise, a maneira de conseguir chegar “lá”- seja “lá”, o que for. Só que, de vez em quando, esquecemos essa via e continuamos a duelar com moinhos de vento. O impossível se disfarça de quimera e desperdiça nossas energias, a credibilidade e, pior, pode nos convencer que somos potenciais perdedores. De quê?

Quem já não insistiu em algo pouco provável, justificando o presente (de inércia) e comprometendo o futuro com projetos irrealizáveis?

“Quando eu emagrecer…”, “Quando ele…”, “Quando…”? (Isso me lembra o livro de Talia Jaoui. Mas é outro assunto!)

Temos dificuldade em descartar projetos que já não nos seduzem, ou simplesmente se tornaram impossíveis de realizar. Temos medo de mudar de idéia, de rever planos e adequá-los à realidade (o possível). Pior, temos constrangimento em rever (diminuir) expectativas. Que coisa!

Rever prioridades. Não deveríamos esquecer essa sintonia fina, necessária de quando em quando.

O adágio “nunca é tarde”, devia ser acompanhado de ressalvas, para evitar perder tempo com coisas que já não importam, para vivermos melhor (mais felizes) com o que é possível. E se você nunca emagrecer? E se ele não mudar, como você espera desde sabe-se lá quando? E se…?

Um companheiro que não seja tão bem sucedido, como a nossa jovem senhora do começo da conversa, vem esperando há 30 anos. Um senhor que não seja tão isso ou aquilo, mas uma excelente companhia, para a outra, que também espera por Godot.

O possível não é a mediocridade. É a realidade, o caminho seguro para a satisfação. Como diria meu marido, certas vezes o ótimo é inimigo do bom… Mas como a gente consegue abrir o baú e retirar sonhos que embalamos a vida inteira – e que hoje não passam de peso morto, de bobagens?

Não querida, você provavelmente não vai morar em Paris, e daí? Meu amigo, deixe de sonhar com o inverossímil Canadá; aqui e agora é o que importa e pode ser muito, muito bom. (E o aeroporto é sempre uma possibilidade!). Novos planos, ajuste de metas.

Como aquela calça manequim 40, que permaneceu numa gaveta; recordação de um tempo feliz e lembrete de que nada será como já foi… O tempo é outro, nós também mudamos; por que sonhar os mesmos sonhos? E uma calça 44, nem é tão ruim assim.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: