Uma crônica derretendo …

Uma crônica derretendo

O Rio de Janeiro é uma crônica perfeita, em constante mutação de cores e paisagens – o que torna tudo muito mais interessante.

De amores pelo Rio, vocês estão cheios, não é mesmo? A Cidade Maravilhosa é quase uma unanimidade entre nós, que sempre invejamos – inveja branca, claro – as praias, as calçadas por onde a gente pode caminhar como verdadeiros cariocas, os bares aonde pessoas comemoram apenas mais um dia bonito; os pés libertos dos saltos e cadarços, respirando em sandálias de dedo… Aqui sou simplesmente mais um vestidão florido, um chapéu de abas largas, um par de havaianas coloridas e um quê de me achar quase nativa.

Sou e faço tudo que não seria ou faria em Belém. Estar no Rio é uma alforria, um descanso para alma.

Tudo nos seduz. Os teatros, a programação cultural, os restaurantes  (como se come bem, Jesus!),  tudo atrai, mas não é só isso. A cada vez que chegamos, encontramos um novo Rio, talvez porque não somos os mesmos a desembarcar no Tom Jobim. Ficamos, até, mais tolerantes  – e perdoamos os enormes problemas que a cidade enfrenta, afinal, estamos num dos destinos mais desejados no planeta!

Na verdade, creio que gostamos de como o Rio nos transforma em pessoas mais leves, menos sisudas, capazes de apreciar pequenos detalhes que, “em casa”, passariam despercebidos… Uma planta bem cuidada numa janela perdida, uma linda senhora de cabelos negros e olhos azuis saindo para passear com seu andador e sorriso iluminando o fim de tarde.

E o principal: o Cristo, lá no alto, com um fundo digno de Yves Klein, parece tocar o céu. A praia de Ipanema, onde não cabe mais ninguém e cada palmo de areia já tem seu dono, pelo menos até o meio da tarde… (Desde quando carioca tem hora ou dia para praia?) Um cachorro se livra da coleira e corre sozinho de volta ao prédio, provavelmente queimando as patinhas na pedra que, às 13, está quente feito chapa de padaria.

Pois é. A questão é que, dessa vez, o calor está tão intenso, mas tão intenso, que acho que é demais até para pegar uma praia. Prefiro caminhar rente às paredes, pegando carona numa nesga de sombra que as marquises conseguem deixar. O Rio ferve, minha crônica derrete; tudo que consigo é pensar em suco, água, água de coco, gelo e ar-condicionado. Senhor, meu reino por um ar geladinho secando a nuca ensopada!

Três dias, com um visto para os “esteites” no meio, não sobrou muito para tanto que sempre quero fazer no Rio de Janeiro, num sábado. Faltou dia no meu final de semana!

Falando nos americanos, vamos comentar uma coisinha… Por mais que a gente critique, o processo é uma baita aula de organização e planejamento. Não me levem a mal, mas se fosse numa instituição brasileira, imagino que, no final do expediente, uma jovem com calças lacradas a vácuo, mascando chicletes e falando ao celular, iria informar que não deu tempo para atender “todo mundo” e distribuiria senhas anotadas com caneta Bic , para voltarmos no dia seguinte.

Posso estar exagerando (Ah, sou uma exagerada, mesmo!) mas quem conhece o processo, sabe o que estou elogiando. Anotei tudo, quem sabe um dia eu preciso em algum evento? Nunca se sabe.

Será que enlouqueci de vez, sob este sol inclemente que resolveu deixar meus miolos “bem passados”?

Talvez. Enquanto isso, esqueço o resto e aproveito o roteiro da gastronomia. (Dou as dicas !)  Nada como comida deliciosa, numa temperatura próxima aos 23 graus, que é a ideal para a gente ser feliz!   Aff! Mas que calor!

Entro numa galeria para filar o ar-condicionado. Reclamo e uma vendedora quer saber a razão. Respondo, toda exibida… “É que não estou acostumada… Na minha terra nunca faz tanto calor.”

E eu posso? Te mete! Mas que calor, meu Deus! Que calor!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: