Supimpa: Peito de Frango Recheado do Dia das Mães

Essa é a foto do site da TV Gazeta. O meu, ficou lindo, mas...esqueci de fotografar o prato pronto. As fotos do passo a passo são do que eu fiz, depois de adaptar a receita à minha moda!

3 Peitos de Frango com a pele

Limpe o excesso de gordura e  lave bem com limão para tirar o cheiro . Pode usar uma dose de cachaça na água, por dez minutos pois ajuda a tirar o odor característico; depois lave bem.  

Separe a pele : basta ir enfiando a mão entre a pele e o frango. A pele vai cobrir o peito já recheado para não ressecar quando for assado.

Faça dois cortes ao longo de cada lado do peito (dois cortes em cada peito) e force com a colher para o espaço do recheio ficar grande o suficiente para acomodar uma boa quantidade, como se fossem dois “bolsos”.

Reserve. Tempere com alho, sal, suco de laranja, pimenta do reino (branca), folha de louro. Deixe por uma hora ou mais. Lembre que a carne do peito é densa e alta, demora a “pegar gosto”. O meu, deixei montado desde a noite de sábado para assar no domingo.

Recheio: Não use requeijão, vai escorrer tudo. Cream cheese  ou catupiry são os ideais. Nada de versão light, fica líquido quando aquece.

Esse recheio eu criei com o que já tinha em casa, ficou mais rico e saboroso que o original:

Misture:

200 g de cream cheese (um frasco).

200 g de presunto de peru bem picadinho

3 colheres de sopa de azeitonas picadinhas

1 xícara de beringela picadinha e refogada

cheiro verde picado, um dente de alho bem amassadinho, desfeito mesmo.

sal, pimenta branca a gosto.

Misture tudo e recheie as fendas abertas. Depois passe manteiga em todo o peito e cubra com a pele que ficou reservada.

Fotos 1, 2, e 3.

Foto 1 -Enquanto abre e trata os peitos, deixe as peles marinando no tempero com suco de laranja, que deixará a carne macia e úmida.

Coloque em refratário, molhe com o tempero de suco de laranja; cubra com celofane próprio para assar e asse em forno médio por hora e meia, até estar dourado, bonito.

No meu, não coloquei o bacon, pois a pele basta.

Para acompanhar, fiz arroz de brócolis e uma Batata a Minha Moda”, Di-vi-na!

Foto 2: Os peitos já recheados.

Foto 3 - Já cobertos com as peles, prontos para assar. O celofane tipo Assafácil deixa bem macio e suculento.

Batatas à Minha Moda (Foto 5)

Molho : 3 ovos, 1 caixa pequena de creme de leite, 1 pacote de queijo Parmesão Faixa Azul, pimenta branca (uma pitada), orégano a gosto.

Frite cebolas (em rodelas finas) em azeite (pouquíssimo) até ficarem transparentes e reserve.

Corte as batatas ( Três grandes servem 5 pessoas) em fatias finas e cozinhe em água, sal, e uma folha de louro, até ficarem macias. Reserve.

Unte um refratário com manteiga e arrume uma camada de batatas, uma de cebolas, salpique pedacinhos de polenguinho, azeitonas fatiadas (pouco), orégano(pouco), e ajinomoto e pimenta do reino (pouco) entre as camadas. Acrescente o molho. Repita a camada e encerre com queijo parmesão.

Asse em forno brando (180 graus) até a parte de baixo estar morena e o molho, firme.  Acompanha bem carnes de paladar forte e aves.

Foto 5- As batatas ficam deliciosas...Com carnes, aves, peixes.

Opção para acompanhar o frango:
Farofa de pão italiano (Dá para ver na foto lá de cima, da Tv Gazeta)
– 100g de manteiga e
– 2 dentes de alho amassados
– 1 cebola ralada
– 1 tablete de caldo de galinha
– 1 pão italiano médio triturado
– 100g de azeitonas
– Pimenta do reino
-Finalize com  1/2 xicara (chá) de salsinha picada, cebolinha picada e queijo parmesão.

Frite o alho, a cebola, e as azeitonas na manteiga, com o caldo bem esmigalhado.

Mexa bem. Quando estiver no ponto, acrescente o pão, mexa, deixando aquecer quase torrando o pão…Retire do fogo e acrescente a salsinha, cebolinha e parmesão. Sirva morninho.

Anúncios

>Com farinha e açucar

>

Com açúcar: o meu crime perfeito
Por algumas horas, a casa é quase só minha. A família está longe e apenas as duas gatas silenciosas me escoltam no corredor vazio. No quintal, a Babi dormita sob o sol escaldante, vá entender os gostos da lustrosa “vira-latas” que aqui é princesa? Que reine, então… Sei que vão me achar uma desnaturada, comemorando a solidão como quem arquiteta um plano mirabolante e disfarça, para não chamar atenção…Mulheres entenderão, de tempos em tempos, estar só é uma dádiva, praticamente um banquete a ser apreciado aos poucos, fazendo com que cada segundo dure uma pequena eternidade; a véspera de uma grande festa, melhor que a própria.
Ligo o ar-condicionado e em meia hora é quase inverno, o piso frio e a pele fresca tornam tudo melhor ainda. Tento esquecer a bagunça e focar no mais importante: a minha grande travessura. Arrumo a mesa acolhedora, toalha antiga de xadrez macio, dessas que carregam anos de histórias familiares em nódoas quase imperceptíveis. Quase.
Uma cumbuca branca, colher de tamanho médio e ponta arredondada, quase sob medida para a boca que prepara o crime. Açúcar alvo e solto, pedras de gelo, fritura salgada e torradinha para tirar o gosto e, na jarra, ele, o meu açaí favorito, geladíssimo. Nem papa que me empapa, nem ralo que encharca as farinhas. Açaí do médio, honesto e saboroso. No ponto exato de sair da jarra, ágil e brilhante, deixando o aroma tomar conta de mim e dos meus instintos. Outras cumbucas guardam as duas farinhas, d’água de Bragança e tapioca miúda; açaí exige detalhes, quase pompas. Nesse momento, viro a cabocla lerda e de poucas palavras lá das bandas do Marajó. Uma quase matuta, descalça, saia recolhida no regaço… Agora não quero papo, telefone não foi feito para se atender a toda hora; que toque, estou tomando meu açaí. A TV, quase sem som, é apenas berço para deitar o olhar e mais nada. O mundo parou, a vida é só aqui.
Num ritual, coloco o açúcar no fundo e deito-o, preguiçoso, para então misturar até que assuma um tom mais fechado, a cor de açaí adoçado. Acrescendo as pedras de gelo, mais para derreterem fazendo contraste de texturas, do que para gelar, de fato. Espalho um punhado da farinha baguda e crocante, que cai como nas cenas da Nigella numa aula de culinária na TV… Sem pressa, vou comendo camadas alternadas das duas farinhas, mal mergulhadas no vinho intenso. De vez em quando, uma pausa para o pirarucu que estala, crocante, e me cobre as papilas com salgado… É-g-u-a da delícia!
Alguém toca a campainha. Não me mexo, se tivesse alguma importância, teriam ligado; para a correspondência, há a caixa; para o resto há o depois; agora, não. Tocam a segunda vez e depois esquecem, não disse que não era importante; alguém talvez quisesse ler um trecho da Bíblia, mas logo agora que estou rezando?
Tomo colheradas lentas e meditabundas, que açaí foi feito para pensar e não falar. Lembro a vida corrida que ficou lá fora e sorrio; o mesmo sorriso de quem acabasse de roubar a Monalisa ou a receita do creme brulèe da Ameliè Pulain. Realmente sou um gênio do mal, capaz de surrupiar as horas e delas fazer uso da maneira mais egoísta do mundo: tomando um solitário e delicioso açaí.
Depois da última colherada, um pouquinho de água gelada; dizem que é para não dar azia; acho que é pura avareza, mas não discuto. No quarto gelado, a rede com cheiro de sol e ares de um não fazer mais nada até Deus sabe quando. Telefones desligados, TV num seriado sobre a história da humanidade; ah, se o homem macaco tivesse tomado açaí, onde estaríamos? E agora, dá licença, por favor, que vou dormir uma sesta. Uma horinha só, no máximo duas, e depois tudo pode voltar a ser como dantes. Por enquanto, não fale, não vou entender nada mesmo e se é por falta de adeus, até logo!

>O meu filé

>

Filé a Vera (para quatro, com risotto ao parmeson)

Para o Filé

4 medalhões de bom tamanho sem nenhum tempero
2 cebolas bem picadinhas, misturadas com duas colheres das de chá de alho picado, desses prontos, crus. (Alho Real, Marisa etc)
1 copo pequeno de geléia de morangos, ‘pedaçuda’ (dessas que se vê os frutos, aos pedaços).
Se gostar de molho, coloque um copo dos grandes; aqui em casa, usei o copo maior pois o molho com o risotto é um contraste e tanto!)

manteiga

shoyo e sal

Para fazer os medalhões

Primeiro use uma frigideira anti aderente BEM quente, com um pouco de manteiga.

Coloque um medalhão por vez, sem ficar mexendo.

Acrescente 1/4 da cebola picada, regue com shoyo e borrife pouquíssimo sal.

A intenção é deixar a cebola bem escurinha, enquanto vai fritando o filé.

Vire o lado, mais shoyo, sal e tal. Quando tirar o medalhão para o prato, reserve a cebola para molho que será feito na mesma frigideira, e faça tudo de novo, até fritar os quatro medalhões.

Volte a cebola já frita para a frigideira, se for preciso acrescente manteiga, um pouquinho de água para aproveitar todo o ‘ferrugem’ e então acrescente o copo de geléia de morango, mexendo bem, para incorporar a cebola etc.

Arrume o prato com o medalhão, uma dose generosa de molho por cima, rodeado por risotto.

Se gostar, salpique batatinha palha de boa procedência, é uma questão de gosto.

Risotto- Para quatro

Seis xícaras de arroz branco cozido.

1 cebola grande picadinha
manteiga
leite

1 caixinha de creme de leite

1 pacote de 100g de queijo parmesão faixa azul

Coloque numa panela 1 cebola grande picadinha, fritando em fogo baixo, em 2 colheres de sopa de manteiga. Quando estiver transparente, coloque 3 xícaras de leite (líquido) e deixe ferver por uns dois minutos.
Acrescente o arroz e, se precisar, mais leite, até quase cobrir o arroz e deixe ferver para que amacie e dê liga.

Quando estiver no ponto, agregue 1 caixinha pequena de creme de leite e mexa por um tempinho.

Acrescente 1 pacote de 100g de queijo ralado faixa azul, prove o sal, mexa bem e arrume no prato.

Se quiser “arrasar”, decore com um moranguinho (ou tomatinho) e duas pontas de cebolinha verde…eheh…

Se gostar, sirva com pãezinhos (morninhos, pequeninos); e um bom vinho tinto suave…Uau!

Sobremesa:

Sorbet de abacaxi pérola (simples e fácil)

Coloque uma porção de abacaxi picado, sem o talo, no congelador. Pouco antes de servir, bata no liquidificador com 1 copo de iogurte ( ou creme de leite) e leite condensado (ou mel).Não deixe bater muito, para se sentir a fruta, fica com a consistência de um sorvete caseiro.

Enfeite com gomos inteiros, duas folhas de hortelã, uma cereja e… Voilá, rapidinho uma sobremesa bem chique e gostosa.(Os naturebas preferem iogurte e mel)
Eu adoreiiiiii!!!!!!!!!!!

>Tortilha de Batatas

>

Minha irmã (que é a melhor cozinheira que conheço!) sempre falava nas Tortilhas de Batatas que aprendeu a fazer lá pelo Paraná.

Quando estive na Espanha, em setembro, não resisti e pedi uma legítima Tortilha de Patatas, num pequeno restaurante bem em frente ao Hotel Praga.

Uma delícia!

Hoje, fiz uma a meu modo, ficou igualmente deliciosa e mais completa.

As quantidades são ao gosto, levando em conta o bom senso culinário, claro!

Olha só:

Corte batatas descascadas em rodelas não muito grossas e coloque para cozer em pouca água com sal.

Numa omeleteira frite a mesma quantidade de cebolas em rodelas finas, em pouco azeite. (Não use óleo!)

Quando estiverem quase macias, acrescente lâminas finíssimas de alho e deixe até pegar cor,

mas sem escurecer.

Intercale as camadas de batatas com as cebolas, acrescente um bom punhado de ervilhas frescas, escaldadas (use das congeladas, as de lata são ruins…), orégano, cebolinha, uma pitada generosa de pimenta do reino, azeitonas sem caroço (se gostar) e acerte o sal.

Bata os ovos ( para uma omeleteira média, 3 ou quatro ovos, dos grandes), acrescente um pouco de leite (para ficar fofinho, tipo uma colher de sopa para cada ovo) e regue de modo que cubra tudo, e chegue até embaixo.

Frite em fogo baixo e só vire quando tiver certeza que já está com uma face mais durinha.

Vire, deixe fritar…Ajeite com uma espátula para que a mistura ainda líquida possa correr para a superfície.

Fica deliciosa! Uma dica: há quem acrescente à fritura da cebola um paio bem picadinho…

Isso vai de cada um, tenho certeza que até presunto de boa procedência, em cubos, ficará ótimo.

Não use óleo, só o azeite.

Acompanha saladas, uma carne de panela ou pode ser a ‘estrela’ de uma noite sem muita complicação.

(Na Espanha, se come até no pequeno almoço e foi quando provei, numa manhã muito fria, após um temporal de granizo…Fiquei bem aquecidinha com o estômago confortável, rs.)

Uma ousadia: em vez de batatas frescas, experimente usar das de pacote, tipo palha. Quando cobrir com os ovos batidos, deixe uns cinco minutos hidratando…Cuidado com o sal, viu?

Desse modo também fica ma-ra-vi-lho-sa!

Bom apetite, colega!

>Salada Deliciosa de Bacalhau

>

Ingredientes, modo de fazer, pulos do gato…
-1 kg de bacalhau dessalgado mas com sabor, em lascas generosas, sem espinhas.(um quilo, no mínimo)
(reserve a água!)
-250 g de grãos de bico sem pele, cozidos.
-4 batatas grandes cozidas na água do bacalhau, em cubos, sem estarem macias demais.
-1 xícara de salsa picada (Não leva coentro !!!)
-2 xícaras de pimentões verdes e vermelhos cortados em cubos. (ver dicas)
-2 xícaras de maços de brócolis cozidos, tenros (ver dicas). (reserve alguns para decorar)
-2 xícaras de ervilhas congeladas (ver dicas)
-5 ovos cozidos, picados. (reserve um em rodelas para decorar)
-3 xícaras de azeitonas portuguesas, das pretas. (Não use azeitonas chilenas, gorduchas e de sabor forte. A estrela é o bacalhau e não as azeitonas!)
Molho: há que ser generoso…
-500 ml ou o quanto baste de azeite extravirgem de qualidade
-1 ramo (não é um maço!) de tomilho fresco, debullhado, mais ou menos duas colheres de sopa dos grãos…
-1 colher de chá cheia de pimenta do reino, de preferência moída na hora.
-2 colheres de chá de alho frito (desses que já vem prontos é melhor poi se queimarem estragam tudo!!!)
-1 xícara de vinagre de arroz.
-1 pitada de açúcar
-1 colher de chá de sal ( acerte depois…)

Cobertura : esse é o pulo do ‘gato’ (ou seria do gajo?) A cebola meio adocicada realça o bacalhau…Hummmm….
6 cebolas grandes, cortadas em rodelas bem finas. (Polvilhe levemente açúcar nas cebola cortadas e frite em frigideira de T-fal com pouco azeite, até ficarem muchas meio carameladas, cor de café-com-leite.

Dicas
Pimentões: corte em cubos médios e coloque numa peneira. Passe água fervente em boa quantidade e depois água gelada (choque térmico). Assim, perdem a acidez e não azedam a salada!
Ervilhas congeladas: deixe em água fervente por um minutinho e depois passe por água gelada e escorra bem numa peneira.
Brócolis: nunca cozinhe demais pois fica feio e a textura não fica agradável! Coloque uma pitada de açúcar na água da fervura, para que fique bem verdinho.
Não esqueça de lavar as azeitonas e escorrê-las.

Modo de fazer:
O bacalhau em lascas, bem espremidinho, você deve levar a uma panela com azeite e duas colheres de café de alho pré frito, para dar uma refogada, de modo que não fique ‘cru’.

Misture com delicadeza: bacalhau, grão de bico, batata, pimentões, azeitos, salsa, brócolis, ovos.
Banhe generosamente com o molho, arrume numa travessa, cubra com a cebola frita (bem escorrida) e decore com brócolis e ovo cozido e delicie-se, pois é dos deuses! No verão, ela fica ótima bem fresquinha.

Fiz no meu aniversário dia 20, e foi um sucesso!!!!
Imagem : reidacolher.blogspot.com

Supimpa! Bolo de Banana da Márcia.

>

Ingredientes e modo de fazer;
Bata no liquidificador:
3 ovos grandes
4 bananas (prata) macias
1 xícara (chá) de óleo
2 xícaras (chá) de açúcar
1 colherzinha das de cafézinho de canela

Retire e coloque numa vasilha e acrescente, mexendo com “fuè”:
2 xícaras (chá) de farinha de pão
1 colher (sopa) cheia de fermento (pó Royal)

Misture bem, coloque em forma de pão (tipo bolo inglês) untada e enfarinhada, no forno médio (160°), até que fique sequinho. (teste do palito)
Delicioso!!!

OBS: Fiz para uma tarde chuvosa…Ficou “O Máximo!”