Dona Vera: nova aquisição

Parece uma bobagem, mas este Cesto para Lavar Frutas e Legumes da Brinox tem me ajudado tanto, que resolvi recomendar.

Ele serve para lavar legumes e frutas, a acumular a louça durante lavagem, e para descongelar algum produto.Custou R$ 82,90 no Supermercado Lider da Humaitá.

Anúncios

Como uma dona de casa…

Ando numa fase bem doméstica.

Com a cirurgia do meu marido, acabei à frente de coisas que já estavam praticamente nas mãos da minha secretária.

Já faz um tempo que a lavagem da roupa – na máquina, claro – é parte da minha rotina. As razões foram outras mas na verdade não reclamo disso. Gosto de ter contato com a água, de separar as peças cuidadosamente, de vê-las limpas e cheirosas, depois.

Não sei explicar. É um momento “meu comigo mesma”. Como minha casa é grande, vou para a lavanderia, e me divirto com a Bruna que logo se enrosca no tapete, me esperando. Bruna não me larga, está sempre nesse grude, a queridinha.  (Tem foto dela, basta rolar um pouco aí prá baixo)

Lavar as roupas cria um momento de intimidade; vejo o que precisa de reparo ou de uma lavagem mais dedicada para tirar alguma mancha. Comprei uma outra máquina que tem um troço só para “dissolver” manchas, vejam que dedicação!

Bom, o caso é que minha secretária saiu em férias e meu marido precisava de uma alimentação leve, sem gordura e menos sal. Mas saborosa.

Alguém conhecem quem forneça marmitas saudáveis, aqui em Belém,  a preço justo e que não nos deixe “na  mão” por conta de todo e qualquer problema com entregadores, ajudantes, diaristas menstruadas, fornecedores ou mapa astral? Nem eu. Meu transtorno obsessivo não me deixaria em paz sem saber se depois de amanhã teria comida ou um recado que  “quinta ” não tem. Então, mãos à obra e umbigo no fogão!

Então baixou a Dona Vera e minhas manhãs têm sido na cozinha. E tenho adorado!

Descobri como as saladas podem ser saborosas e diferentes a cada dia. Faço pratinhos novos e reinterpreto antigos.

Fiquei pensando como as mulheres reclamam do serviço doméstico, Jesus! Não me acho melhor, mas estou tirando de letra, com a ajuda da máquina de lavar louças e da Nete na faxina e no ferro de passar – que é o que detesto.

Hoje fiz Tomates Recheados, nosso almoço ficou lindo e delicioso. Sim, eu primeiro como com os olhos, comida tem que ser bonita, bem arrumada, servida com capricho – mesmo que seja só eu a comer!

Como procuro ser prática, usei aquele frango desfiado, congelado. (Esse aí embaixo, mas tem outras marcas. experimente, vale a pena!)

Vamos lá:

Para quatro tomates grandes (servem duas pessoas, com bons acompanhamentos)

Meio pacote de frango desfiado descongelado

1 colher de sopa de shoyu

Meio copo de requeijão (cuidado com o light, ele fica um tanto líquido)

Meia xícara de azeitonas sem caroço picadinhas

3 colheres de sopa de Pomarola

Duas colheres de coentro e cebolinha (picados)

1 colher de cafézinho (rasa) de orégano, de preferência fresco.

2 colheres de sopa que parmesão ralado faixa azul

Misture tudo com garfo e reserve.

Abra os tomates tirando a tampinha, retire as sementes, lave etc. Seque, e passe dentro (com o dedo, mesmo)

uma misturinha de azeite, sal, vinagre (gotas) e molho de alho. ( Tudo misturado dá uma colher de sobremesa, mais ou menos- é só para saborizar. )

Arrume num refratário untado com azeite, em tamanho que fiquem juntinhos, em pé.

Cubra com queijo ralado Faixa Azul e asse em forno a 180 graus, por uma hora, ou até ficar moreninho.

Uma delícia.

Servi com uma salada bem montada, arroz alegre (com vagem e cenoura) abóbora e mandioca cozidas.

Supimpa!

Delicioso! Tomate recheado com frango desfiado e requeijão.

A minha Tuttipani

Gente… QUEM PRECISAR DO MANUAL, PEÇA DIRETAMENTE PARA veracascaes@gmail.com   OBRIGADA.

Ganhei uma máquina de fazer pão, da Malory e estou amando a brincadeira. (Pena que engorda…)

 

Já fiz pães maravilhosos e até esse bolo, da foto, daqueles de caixinha ( Coco, Dr. Otker) ficou incrível.

Coloquei primeiro os ingredientes úmidos, depois acrescentei um pacote de 50g de coco ralado, mais uma colher bem cheia de manteiga, do que a receita manda e…

Nada de louça para lavar, nem de batedeira para limpar…Uma maravilha!Image

O pão, então, é mágico: joga-se tudo dentro e três horas depois está assado, quentinho, ma-ra-vi-lho-so!

Essa semana vou fazer um, bem gostoso e levar para meus primos, Beth e Roberto, que me presentearam com

a máquina que ainda estava na embalagem, um pouco esquecida.

Valeu, primos!

Image

Me dá o seu mana cubiu?

 Não é uma revolta como paraense, mas como nortista de fato: O Brasil, definitivamente, não conhece o norte!

Pois é, eu também não fazia idéia do que era maná cubiu, mas o livreto de receitas do leite Dobon apresenta uma receita de Sorvete de Tapioca com Calda de Maná Cubiu – como se fosse coisa nossa, talvez tão conhecida quanto o velho e bom cupuaçu.

Resolvi trazer a publicação – gratuita- para casa por causa do título: As Delícias do Norte. Fiquei empolgada, que boa iniciativa divulgar nossa culinária.

Acontece que tem japonês no samba. Explico: evidentemente é trabalho de paulista. Ou baiano. De nortista, mesmo, não é.

Do começo ao fim, as receitas são uma paulistada só.

Vamos reinventar o recheio? Em vez do previsível palmito, a nossa deliciosa pupunha!

Em todas as receitas “de pupunha”, o ingrediente é palmito de pupunha, o que, para nós, nortistas, é coisa completamente diferente, nem preciso esclarecer.

No pudim de Tapioca, a quantidade da mesma é, pasmem , “meia xícara”, uma miséria. Só um forasteiro tem tanta parcimônia, o nosso pudim maravilhoso leva pelo menos 4 xícaras, para começo de conversa. ( O meu, é supimpa!)

Bem… O Frango Marajoara leva leite de coco, camarão seco triturado e azeite de dendê. Alguém errou a região, ó pai, ih ó!Sem preconceito, já que sou louca pela culinária baiana, mas anunciar essa coletânea como sendo “do norte” é o mesmo que procurar Belém no mapa do Rio Grande do Norte.

E manuê de fubá, tem comido muito? Pois é, vou comer o meu com maná cubiu, viu?

Mana Cubiu, fruto misterioso.

Muito Prazer!
Em tempo, Mana Cubiu, é uma fruta, que nessa receita, aparece como geléia.

O Mana Cubiu (Solanum Sessiliflorum Dunal) é uma hortaliça da Amazônia Ocidental, domesticada pelos índios, que pode produzir até 100 t/ha de frutos ricos em sais minerais e vitaminas. Muitonutritivo, tem sabor e aroma agradáveis. Na Amazônia, o cubiu é usado pelas populações tradicionais como alimento, medicamento e cosmético. Também é conhecido como CUBIU, TOPIRO, COCONA, TOMATE DE ÍNDIO, ORINOCO APPLE E PEACH TOMATO.

Fruta nativa da Amazônia Ocidental e domesticada a séculos pelos índios pré-colombianos o MANÁ CUBIU vem sendo estudado há 18 anos pelos Cientistas e Pesquisadores Professores: Dr. Danilo Fernandes da Silva Filho e Dra. Lúcia Kiyoko Ozaki Yuyama, e há 25 anos pelo INPA – Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Ministério da Ciência e Tecnologia), estudos e pesquisas financiadas pelo PPG-7/FAO/ONU.

 Por conter um alto teor de NIACINA (vitamina B3) e princípio ativo também contido na berinjela (contém 3 vezes mais que a berinjela) , o MANÁ CUBIU é chamado de “A fruta do século.”  Do fruto se faz, inclusive a geléia, que cobre o sorvete de tapioca da primeira foto.

Muito bem, agora a gente já sabe o que é. Prazer!

A iniciativa do Dobon é louvável, quem sabe da próxima vez resolva contratar a consultoria de culinaristas nortistas, legítimos?

A receita serve para inspirar...Pupunha, em vez de palmito, deve ficar muito melhor, no molho do Filhote.